News

Tendo em vista as baixas temperaturas ostentadas pelos termômetros em boa parte do país, é bem provável que alguém amanheça sem vida, nas ruas de alguma cidade, nesta quarta. A hipotermia terá sido mera consequência uma vez que não se morre de frio, mas de falta de políticas públicas ou de especulação imobiliária. Quem tenta mudar esse cenário, acaba também ameaçado de morte, como vem ocorrendo com o padre Júlio Lancelotti, da Pastoral do Povo de Rua.

Da mesma forma, não se morre por ”desastres naturais”, como as chuvas ou as secas que castigam outras partes do país. Às mortes por falta ou excesso de água deveríamos dar o nome de ”desastres políticos e administrativos” – pois já há tecnologia e protocolos para prever, reduzir e evitar o sofrimento.

Mas por irresponsabilidade e incompetência de gestores, pessoas são levadas pela correnteza ou soterradas em deslizamentos.

Enquanto você lê este texto, trabalhadores escravizados passam frio costurando em oficinas de costura em São Paulo. E outros trabalhadores escravizados respiram fumaça e pó em grandes áreas de desmatamento na Amazônia.

Isso também pode ser evitado uma vez que contávamos com uma boa política pública nesse sentido, criada pelo governo do PSDB e transformada em referência internacional pelo governo do PT, para desespero de quem ama a ultrapolarização.

A prioridade em libertar pessoas, infelizmente, deixou de existir quando o governo federal tentou dificultar essas operações no ano passado. Vale acompanhar o que o novo ministro do Trabalho fará a respeito: resgatar a política ou atender às exigências de empresas que perdem dinheiro com o combate a esse crime.

Brasileiros, bolivianos, chineses, venezuelanos, haitianos que não existem no país em que roupa e carne vem da geração espontânea.

Faz um ano que um homem morreu na esquina da rua Teodoro Sampaio com a avenida Doutor Arnaldo, na capital paulista, após uma noite, uma madrugada e uma manhã muito frias.

Durante horas, seu corpo ficou ali parado, imóvel, enquanto todos passavam por ele, carregando suas vidas.

Ironicamente, aquele pacote de gente – que se foi sem apresentar sinais de violência além da violência inerente àquela situação – estava entre as faculdades de Medicina e de Saúde da Universidade de São Paulo. E a alguns metros do Hospital das Clínicas, mas também do Instituto Médico Legal e do Cemitério do Araçá.

Por aqui, a vida persiste, vencendo o descaso.

Mas isso não significa que ela seja forte o bastante para se fazer notar.

A verdade é que até somos tolerantes com vidas que acreditamos não valerem nada. Contanto que elas não atrapalhem esteticamente a realidade. E não façam barulho ao sair.

Fonte: Blog do Sakamoto

A partir desta quarta-feira (4), a Prefeitura de São Paulo diz que vai começar a retirar famílias que recebem auxílio-aluguel e seguem acampadas no Largo do Paissandu após o desabamento do prédio Wilson Paes de Almeida, em 1º de maio.

Depois da tragédia, a Prefeitura identificou e cadastrou 291 famílias que moravam no prédio e têm o direito de receber o auxílio-aluguel de R$ 1.200 no primeiro mês e depois uma ajuda mensal de R$ 400. Segundo a Secretaria de Habitação, as famílias beneficiadas não poderão mais ficar na praça e se forem identificadas no local, podem perder o benefício (veja íntegra da nota abaixo)

As assistentes sociais também vão negociar a saída das outras pessoas que estão no local, mas que não faziam parte da ocupação. Elas também terão que deixar a praça. A Prefeitura acredita que sejam no máximo 60 famílias, que poderão ir para os centros de acolhida da capital.

A Prefeitura disse ainda que outras famílias acampadas logo após o desabamento e que recebiam auxílio foram deslocadas para casas em uma primeira etapa.

Auxílio-aluguel

Um mês antes do desabamento, a Prefeitura esteve no prédio Wilson Paes de Almeida e cadastrou 171 famílias da ocupação. Depois da tragédia, as assistentes sociais identificaram mais 120 famílias que também moraram no local e incluíram essas pessoas no cadastro para o auxílio-aluguel e fila habitacional.

Esta terça-feira (3) é o último dia para as famílias que têm direito ao benefício retirem o primeiro pagamento no valor de R$ 1.200.

Este valor é pago pelo governo do estado que também assumiu o compromisso de pagar o valor mensal de R$ 400 por um ano. A Prefeitura só vai assumir o pagamento a partir de maio de 2019.

Nota Prefeitura

“A Prefeitura de São Paulo finalizou o atendimento habitacional das vítimas do desabamento e a partir desta quarta-feira (4) intensifica as ações de abordagem junto às famílias no Largo do Paissandú para oferecer acolhimento a quem insiste em permanecer na praça. Nesta terça-feira (3) o município encerrou o atendimento das famílias que comprovaram vínculo com a ocupação apenas na última semana.

Foram analisados casos de 435 famílias que se apresentaram como vítimas sendo que apenas 291 comprovaram morar na ocupação do edifício Wilton Paes de Almeida. As famílias que estão na praça vieram de outras regiões da cidade, não moravam no edifício que desabou e se somam as outras 4 mil pessoas em situação de rua no centro da cidade. A partir de agora, o município segue oferecendo, como desde o início, os serviços de acolhimento nos centros de acolhida com 14,5 mil vagas.

A Prefeitura também vai reforçar a tentativa de realizar a limpeza no local. Por diversas vezes as famílias impediram a limpeza do espaço, a situação de insalubridade aumentou colocando em risco a saúde das crianças, idosos e gestantes. O local apresenta alto nível de sujeira, causando problemas de higiene, atraindo pragas, roedores e baratas e gerando reclamações de moradores e comerciantes da região.”

Fonte: G1

Novamente o Di Alma conseguiu atingir o objetivo de levar calor para os nossos amigos em situação de rua.

Neste domingo, 24 de junho, levamos sopa, pão, doce, kit de higiene, luvas, meias, gorros e cobertores para aquecer o inverno destes nossos irmãos mais vulneráveis.

Não esquecemos dos nossos amigos de quatro patas e levamos ração para alimentá-los também.

Foi um dia lindo e muito gratificante.

Curta as fotos desta maravilhoso ação: Inverno Di Rua

SÃO PAULO

No puxadinho de Valtair José de Souza, 50, há duas camas, mas ele dorme somente no sofá. Os dois colchões, abarrotados de brinquedos, ocupam a maior parte do espaço, mas nenhuma criança nunca dormiu lá desde que ele se mudou, há cerca de um ano, para essa casa abandonada a poucos metros do parque Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, e que foi invadida por cerca de 30 famílias.

Dos seus filhos, Felipe, 5, vive há um ano e meio em um abrigo da prefeitura, e Joana, 2, sumiu com a mãe e ele não a vê há mais de um ano. Os nomes das crianças são fictícios.

No puxadinho, as camas preparadas para receber as crianças são uma forma de Carioca, como Valtair é conhecido, manter a esperança de recuperar a guarda dos dois filhos. Ele, que sobrevive fazendo bicos, tira de uma pasta surrada todos os documentos originais dos filhos: as certidões de nascimento, avaliações da escola e o RG do mais velho, além da carteira de vacinação com as doses em dia.

Ao lado da cabeceira de uma das camas, está apoiada a bicicleta de Felipe, que Carioca teve que arrastar até em casa no dia em que o menino foi levado a um abrigo, após a Justiça o ter destituído do poder familiar. “Ele foi comigo ao fórum nesta bicicleta”, lembra Carioca, sobre o dia que viu o filho pela última vez.

A decisão judicial de colocá-lo sob tutela do estado veio três meses depois de o pai ter sido preso em flagrante sob a acusação de agredir o filho. No registro feito na delegacia, testemunhas o acusaram de arrastar o menino pela calçada e lhe dar socos na cabeça, além de jogá-lo com violência no concreto. O relato também diz que ele estava embriagado.

O pai foi acusado de nove crimes, entre eles, maus-tratos e violência doméstica —cumpriu três meses de detenção. Carioca, porém, tem outra versão. Ele conta que, naquele domingo de setembro de 2016, havia levado o filho para acompanhá-lo, enquanto trabalhava como guardador de carros na esquina das ruas Augusta e Estados Unidos.

Fundado por Kaká Ferreira e José Amato, o Núcleo Assistencial Anjos da Noite realiza o trabalho desde 22 de agosto de 1989. É composto por pessoas de todas as idades, de várias denominações religiosas que voluntariamente doam, além do seu tempo, alimentos, roupas, agasalhos, calçados, cobertores e principalmente amor. Uma simples refeição, um agasalho e uma palavra amiga são os ferramentas fundamentais para possibilitar o resgate da autoestima objetivando a sua reintegração social.

“Sempre teremos algo a oferecer e a receber”

A carência dos recursos materiais das pessoas em situação de rua não as tornam menos cidadãos. São eles que devem ter prioridade no senso de fraternidade que propicia momentos de reflexão sobre os valores da vida, hoje tão banalizada.

Portanto, ser um Anjo da Noite nada mais é do que agir na direção da solidariedade para a formação de um mundo mais justo e feliz, razão pela qual o Grupo Anjos da Noite vivencia, entre outras, a seguinte premissa: “Todos os Problemas são Problemas de Todos”.

Fonte: Anjos da Noite

A digital, que antes assinava documentos, agora vai abrir as portas do mundo digital. Através da tecnologia de seus produtos, a Samsung, em parceria com o Instituto Paulo Freire, vai contribuir com a educação e a alfabetização de centenas de pessoas. O projeto Alfabetização Cidadã foi criado para que aqueles que coletam, separam e tratam resíduos em geral tenham suas vidas transformadas através da autonomia da escrita. O objetivo de levar a tecnologia para o dia a dia dos alunos é alfabetizá-los e promover a inclusão social e digital, trazendo a eles novas perspectivas de vida e transformando-os em Embaixadores da Sustentabilidade também no mundo virtual.

História

Uma educação humanizada e transformadora. Este foi o grande desejo que motivou Paulo Freire a construir o próprio Instituto que, em parceria com pessoas e instituições movidas por estes mesmos princípios, se propõe a fortalecer a luta pela construção de “um outro mundo possível”. O pensamento freiriano atravessou fronteiras e está presente em inúmeros países, em todos os continentes. O método inovador de ensino e aprendizagem adotado pelo Instituto Paulo Freire coloca a vida do aluno no centro da educação e proporciona às pessoas a descoberta de novos horizontes.

Fonte: Samsung

Se você tem a chance de fazer o bem, então o faça