News

Monsenhor Júlio Renato Lancellotti (São Paulo, 27 de dezembro de 1948) é um sacerdote católico brasileiro, monsenhor e pároco da Igreja São Miguel Arcanjo no bairro da Mooca, na cidade de São Paulo. Além da paróquia, o monsenhor também é responsável pelas missas realizadas na capela da Universidade São Judas Tadeu, situada no mesmo bairro.

Ordenado sacerdote em 20 de abril de 1985[1], é responsável Vigário Episcopal para o Povo da Rua Arquidiocese de São Paulo que ajuda moradores de rua. É Doutor Honoris Causa pela PUC-SP e recebeu no Rio de Janeiro o Prêmio Alceu Amoroso Lima das mãos do reitor da Universidade Candido Mendes.

Sempre dedicou sua vida ao trabalho social. É formado em pedagogia e teologia. Foi professor primário e universitário e trabalhou no Serviço Social de Menores, que se transformou na Secretaria Municipal de Assistência Social. Participou com Dom Luciano Mendes de toda a fundamentação da Pastoral do Menor da Arquidiocese de São Paulo. Participou dos grupos de fundação da Pastoral da Criança e colaborou na formulação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Atua junto a menores infratores, detentos em liberdade assistida, pacientes com HIV/Aids e populações de baixa renda e em situação de rua. Acredita na pessoa humana acima de tudo, “como imagem e semelhança de Deus” e considera que todos os cidadãos que devem ter seus direitos respeitados.

Em 26 de julho de 1991, fundou a “Casa Vida I” e, posteriormente, a “Casa Vida II”, para acolher crianças portadoras do vírus HIV. Como vigário episcopal do Povo da Rua da Arquidiocese de São Paulo, está à frente de vários projetos municipais de atendimento à população carente, como é o programa “A Gente na Rua”, formado por agentes comunitários de saúde, ex-moradores de rua.

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil deu-lhe o Prêmio Franz de Castro Holzwarth em 2000 por seu trabalho contra a violação sistemática dos direitos das crianças e dos adolescentes.[2]

Em 2003, a Casa Vida recebeu o Prêmio OPAS, da Organização Pan-Americana da Saúde.

Em 2004, o Movimento Nacional de Direitos Humanos concedeu-lhe o Prêmio Nacional de Direitos Humanos.[3]

Também em 2004, a Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo ganhou o Prêmio Nacional de Direitos Humanos, na categoria livre.[4]

Em 2005, Pe. Júlio recebeu menção honrosa do Prêmio Alceu Amoroso Lima Direitos Humanos.[5]

Em 2007, o Pe. Júlio recebeu o Prêmio dos Direitos Humanos promovido pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, na categoria “Enfrentamento à Pobreza”.[6]

Pe. Júlio é ainda Doutor Honoris Causa pela Universidade São Judas Tadeu (2004)[7] e pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

http://www.padrejulio.com.br/

Fonte: Wikipedia

O Di Alma honrando o objetivo de ajudar todas as pessoas em extremo estado de vulnerabilidade esteve no dia 01.05.18 no largo do Paissandu levando alimentos, roupas e fraldas para a famílias que foram vítimas do incêndio e da queda do Edifício Wilton Paes de Almeida.

 

O morador que desapareceu em meio ao desabamento e às chamas do edifício Wilton Paes de Almeida se chama Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro, de 39 anos. O R7 conseguiu a confirmação da identidade e das fotos por meio de documentos de Ricardo Pinheiro, depoimentos de amigos e familiares e o testemunho do sargento Diego Pereira da Silva Santos, do Corpo de Bombeiros, que tentava resgatar o morador segundos antes da queda.

À produtora da RecordTV Marcella Larocca, o sargento disse acreditar que, tanto pelas tatuagens como pelo olhar, Ricardo se trata da única vítima oficialmente considerada desaparecida na tragédia do Largo do Paissandu.

“Estava muito escuro, mas é quase impossível esquecer este olhar”, disse o sargento Diego.

Ricardo acabou ficando preso dentro do prédio em chamas em uma das muitas vezes que entrou para ajudar a resgatar vizinhos. Em uma das vezes, foi visto carregando quatro crianças.

Segundo o auxiliar de limpeza Cosme Alexo da Silva, 53 anos, que mora em uma ocupação vizinha, Ricardo teria ido do 7º para o 8º andar para ajudar duas crianças gêmeas e a mãe delas, uma coletora de material reciclável identificada como Selma. Moradores acreditam que a mulher e as crianças também estão no meio dos escombros.

Rauan Costa Neto, que mora em outro edifício próximo do que desabou, conhecia Ricardo, mas não soube dizer seu sobrenome.

 “Eu espero que agora que divulgou quem ele é, a família apareça”, disse Rauan.

Ricardo teria uma irmã que trabalha em uma lanchonete no Centro, mas ainda não foi localizada. Ele também teria 7 filhos — 6 meninas e 1 menino.

“Eu conhecia ele porque a gente trabalhava junto. Fazia carga e descarga de contêiner, com coisas da China, bolsa, brinquedo, essas coisas”, conta Rauan. “Segunda mesmo a gente descarregou um caminhão na 25 de março.”

De acordo com Cosme, Ricardo era “uma pessoa trabalhadora, que vivia de casa para o serviço, nunca via ele na ocupação”. O auxiliar de limpeza conta que a vítima do incêndio saía de casa no fim de tarde, buscava seu companheiro de trabalho na outra ocupação e ia para o serviço.

Pelas fotos em seu perfil no Instagram, Ricardo era um apaixonado por patins. São várias fotos e vídeos dele e amigos patinando. Em um dos posts, Ricardo aparece patinando dentro de um vagão do metrô. Ele cai, rindo muito, e vários amigos brincam com ele.

“Ele gostava muito de plantas. O apartamento dele era cheio de plantas. E de gatos”, contou Rauan.

Ricardo também gostava de fotografar paisagens, como do Parque do Ibirapuera e da janela do prédio que, tragicamente, desabou sobre ele segundos antes de o sargento Diego conseguir resgatá-lo.

Fonte: r7.com

Olá Amigos!!!

Estão a venda as lindas camisetas do Projeto Di Alma!! 😀👕

Comprando, você ajuda o #ProjetoDiAlma a ajudar quem mais precisa.

Modelos em gola V, nos tamanhos P, M,G e GG…não perca tempo e compre já a sua!!!

Apenas R$ 35,00.

 

“Não vão porque não querem, então não podem reclamar”.

Esse pensamento é recorrente durante o diálogo sobre a população em situação de rua que não recorre aos abrigos mesmo nos dias em que se registram temperaturas baixíssimas nos termômetros.

De fato, ir para um abrigo não é o desejo de todos que dormem nas vias públicas. As razões variam de reclamações sobre a estrutura física das casas à dificuldade de adaptação às regras destes locais. Para algumas pessoas, a grande rotatividade e a impossibilidade de estar junto a seus companheiros e animais também influenciam na decisão de ir ou não para esses alojamentos.

Muitas vezes, a dificuldade de se adequar não é uma escolha: ter crescido sem um núcleo familiar ou nunca ter morado em residência fixa, por exemplo, torna mais complexa a vida em sociedade, como o trabalho, a escola ou mesmo os albergues em dias frios.

A compreensão de tais nuances é considerada essencial por Robson César Correia, fundador do Movimento Estadual das Pessoas em Situação de Rua em São Paulo, para evitar novas mortes.

“Tem casa tão péssima que o morador de rua prefere ficar no frio. Falta higiene, falta preparo dos funcionários, tem muito furto de pertences, apesar da existência dos maleiros, sem contar o medo de doenças quando há aglomeração”, enumerou Correia.

De acordo com a última atualização da Prefeitura de São Paulo, existem 102 pontos de acolhida, entre centros provisórios e fixos, com 9.963 vagas permanentes e 1.517 provisórias, oferecidas durante os dias mais frios. Um desses locais é a casa Arsenal da Esperança, no Brás, que abriga até 1.150 pessoas.

“Consideramos superlotada. Mas se a gente for exigir uma mudança nisso, todas essas pessoas [que lá estão] serão prejudicadas”, pondera Correia.

Correia, que mantém uma pequena sala no Anhangabaú, centro de São Paulo, como sede do movimento, é enfático ao lembrar que existe uma caracterização errônea da população de rua, o que dificulta a reivindicação por melhorias.

“Ousam dizer que o morador de rua não quer ir pro albergue porque lá não se pode tomar cachaça e usar droga, ou porque não querem tomar banho. Mas não é bem assim. Se o morador de rua não quisesse tomar banho, por exemplo, não brigaria com a fiscalização para fazer isso nos espaços públicos. Sem banheiro público, ele utiliza a calçada. Isso gera um atrito com a sociedade, que fala que ele está sujando a cidade, mas não lembra de falar da falta de políticas públicas também”, avaliou o militante.

Além do direito à autonomia que essas pessoas têm, um fator costuma ser escanteado pelas discussões sobre as regras e estruturas de abrigos urbanos: cada pessoa é disciplinada de forma diferente, conforme sua trajetória de vida, e isso faz com que alguns tenham mais ou menos capacidade de adaptação a regras.

Daiane Gasparetto, psicóloga e doutoranda da Universidade Federal do Pará (UFPA) e autora da dissertação “Corpos em situação de rua em Belém do Pará: os testemunhos da desfiliação social”, explica que, no cotidiano, as pessoas são inseridas em processos que as condicionam a se adequar a normas tanto de controle individual quanto coletivo.

“A obrigação de ir à escola é um desses processos. Trabalhar, seguir horários e regras de uma residência são outros. A população de rua passa por isso em âmbitos diferentes, como na disputa de territórios públicos –em geral, por meio da repressão. Não poder permanecer em determinadas praças ou obedecer à figura policial são exemplos”, define Daiane.

A pesquisadora explica que essa disciplina adquirida, ao mesmo tempo que pode conduzir o corpo à submissão às regras e obediência ao poder, também é considerada responsável pelas capacidades de produtividade social. Ou seja: os mais envolvidos nestas rotinas podem desenvolver maior aptidão com espaços regrados, como salas de aula, espaços de trabalho e, até mesmo, casas de acolhida. E quanto menos experiências de disciplina, maior é a chance de o sujeito perder os vínculos sociais.

“Todos nós temos direitos sociais, um lugar de cidadania que deveria ser garantido. Mas se você vive na rua, por exemplo, perde o direito de entrar em certos espaços, por razões como as suas vestes e a sua aparência. E isso é a desfiliação. Parte da cidade é negada a você”, argumenta a psicóloga.

 

 

Fonte: https://www.brasildefato.com.br/2016/06/22/por-que-nem-todos-os-moradores-de-rua-querem-ir-para-albergues-no-frio/
Fotos: Luna Andrade

Nós do #DiAlma gostaríamos de agradecer a Rádio Cidadã FM, ao Programa Horizontes – movimentos sociais e confrontos políticos e ao Paulo Spina, que nos recebeu tão bem!!

Obrigado pela oportunidade de falarmos da história do Projeto Di Alma e de divulgarmos nossas ações.

Obrigado a todos que nos apoiam e estavam ligadinhos na rádio ontem.

Somos muito gratos a todos! 💙

Não conseguiu ouvir a entrevista??
Segue o link: https://youtu.be/U5RrJAeKVVM

 Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), da Prefeitura de São Paulo, oferece alguns serviços gratuitos como castração e vacinação.

Segue uma dica bacana para a castração gratuita, oferecida pela Prefeitura de São Paulo.

Muita gente não sabe, mas cada indivíduo tem direito à esterilização (castração) de até 10 animais. A CCZ destaca que o limite também leva em conta animais que tenham falecido.

Para a vacinação em si não é necessário apresentar documentos. Mas para entrar nas dependências do CCZ é preciso portar um documento de identificação.

Outras vacinas, como as polivalentes (V8 e V10 para cachorros, V3, V4 e V5 para gatos), que protegem de várias doenças ao mesmo tempo, não são oferecidas pelos serviços municipais. Isso porque, segundo CCZ, a vacina antirrábica é a única com “relevância epidemiológica para a saúde pública”.

Nesse link você encontra os locais onde é possível castrar pet’s gratuitamente: http://momcaesegatos.com.br/…/prefeitura-de-sao-paulo-ofer…/

 

Passava das 8h da fria manhã de terça e a fila era grande.
Sacos com 150 pães e garrafões com dez litros de café saem da igreja pelas mãos de voluntários, em 15 minutos, tudo terá acabado.

“O que eles fazem por nós aqui é muito bom. Nessa hora, muitos aqui estão sem nada no estômago”, disse Lucilene Souza dos Santos, 38, que vive nas ruas da região.

Quem entrega o pão é uma voluntária, que também costuma se vestir de Papai Noel e distribuir balas na zona sul todos os finais de ano.

“O café quem dá é a Cruz Vermelha. O pão [metade fresco e metade ‘dormido’] vem de uma padaria aqui perto”, disse ela, que faz doações como forma de pagar a promessa que fez depois de se curar de um câncer.

Ela afirma ser favorável à possibilidade de a distribuição do pão passar a acontecer em espaços protegidos de sol, chuva e vento.

“Quando chove, o povo se molha todo para poder comer. Dá dó”, disse.

Quem ajuda ela é um morador de rua. Há mais de dez anos na região da Sé, Natal Francisco de 55 anos come o pão -sem nenhum recheio- só depois de entregar para os demais colegas.

“Todo mundo pode ajudar um pouco. Muitos aqui precisam desse pão”, disse ele.

A distribuição ocorre pouco tempo depois da limpeza diária da Sé e do Pateo do Collegio, onde estão duas das maiores concentrações de moradores de rua do centro.

Às 5h30, um caminhão-pipa chega à Sé para fazer a lavagem da área.  Mesmo diante dos jatos, os moradores continuam dormindo em suas barracas ou sobre o piso sem nenhuma proteção.

Os funcionários da empresa que faz a limpeza dizem que os jatos nunca são disparados em direção às pessoas e suas moradias improvisadas. Já quem vive nas ruas reclama que há desrespeito porque os objetos deles sempre acabam molhados.

Tanto na Sé como no Pateo do Collegio é possível ver recipientes e restos de comida, que também são recolhidos pelos servidores.

“A gente que vive aqui recolhe tudo e separa em caixas toda a sujeira. O pessoal da prefeitura chega e só recolhe. Mas tem gente que pega a marmita e abandona por aí. A gente não concorda com isso, isso é coisa de porco”, disse o desempregado Tiago Barcelos, 34, que vive no Pateo.

À NOITE

Iluminados pelos lustres entre as palmeiras que adornam a igreja, cerca de 500 pessoas fazem nova fila, agora à espera da “marmita da igreja”. É como são chamadas as refeições distribuídas semanalmente pela Igreja Universal do Reino de Deus no marco zero da cidade.

A fila começa a se formar às 19h30, cerca de uma hora antes da chegada das vans que trazem, além da comida, os voluntários da igreja e equipamentos necessários para montar a estrutura para o jantar a céu aberto, sempre precedido de um culto.

Sentados em cadeiras de plástico, eles escutam as palavras do pastor Alessandro Rogério. “É gente que já perdeu tudo. A gente traz a palavra e a comida”, disse.

Após a última citação bíblica do sermão, centenas de sem-teto deixam as cadeiras e correm em direção às mesas onde estão 800 marmitex (arroz, feijão e carne) e café.

Cada um que pega sua refeição corre para vários cantos da praça. Matam a fome ali mesmo, muitos deles de pé, apoiando a comida aos pés da estátua do Apóstolo Paulo. Depois, se espalham novamente, pouco antes de os voluntários recolherem os restos deixados. “Amanhã é sopa”, avisa um sem-teto.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/08/1908663-cafe-do-padre-e-marmita-da-igreja-atraem-filas-de-dia-e-de-noite-na-se.shtml

Fotos do site: Luna Andrade.

Se você tem a chance de fazer o bem, então o faça