News

Pe. Júlio Lancellotti o grande defensor daqueles em situação de rua

Monsenhor Júlio Renato Lancellotti (São Paulo, 27 de dezembro de 1948) é um sacerdote católico brasileiro, monsenhor e pároco da Igreja São Miguel Arcanjo no bairro da Mooca, na cidade de São Paulo. Além da paróquia, o monsenhor também é responsável pelas missas realizadas na capela da Universidade São Judas Tadeu, situada no mesmo bairro.

Ordenado sacerdote em 20 de abril de 1985[1], é responsável Vigário Episcopal para o Povo da Rua Arquidiocese de São Paulo que ajuda moradores de rua. É Doutor Honoris Causa pela PUC-SP e recebeu no Rio de Janeiro o Prêmio Alceu Amoroso Lima das mãos do reitor da Universidade Candido Mendes.

Sempre dedicou sua vida ao trabalho social. É formado em pedagogia e teologia. Foi professor primário e universitário e trabalhou no Serviço Social de Menores, que se transformou na Secretaria Municipal de Assistência Social. Participou com Dom Luciano Mendes de toda a fundamentação da Pastoral do Menor da Arquidiocese de São Paulo. Participou dos grupos de fundação da Pastoral da Criança e colaborou na formulação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Atua junto a menores infratores, detentos em liberdade assistida, pacientes com HIV/Aids e populações de baixa renda e em situação de rua. Acredita na pessoa humana acima de tudo, “como imagem e semelhança de Deus” e considera que todos os cidadãos que devem ter seus direitos respeitados.

Em 26 de julho de 1991, fundou a “Casa Vida I” e, posteriormente, a “Casa Vida II”, para acolher crianças portadoras do vírus HIV. Como vigário episcopal do Povo da Rua da Arquidiocese de São Paulo, está à frente de vários projetos municipais de atendimento à população carente, como é o programa “A Gente na Rua”, formado por agentes comunitários de saúde, ex-moradores de rua.

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil deu-lhe o Prêmio Franz de Castro Holzwarth em 2000 por seu trabalho contra a violação sistemática dos direitos das crianças e dos adolescentes.[2]

Em 2003, a Casa Vida recebeu o Prêmio OPAS, da Organização Pan-Americana da Saúde.

Em 2004, o Movimento Nacional de Direitos Humanos concedeu-lhe o Prêmio Nacional de Direitos Humanos.[3]

Também em 2004, a Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo ganhou o Prêmio Nacional de Direitos Humanos, na categoria livre.[4]

Em 2005, Pe. Júlio recebeu menção honrosa do Prêmio Alceu Amoroso Lima Direitos Humanos.[5]

Em 2007, o Pe. Júlio recebeu o Prêmio dos Direitos Humanos promovido pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, na categoria “Enfrentamento à Pobreza”.[6]

Pe. Júlio é ainda Doutor Honoris Causa pela Universidade São Judas Tadeu (2004)[7] e pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

http://www.padrejulio.com.br/

Fonte: Wikipedia

Share it on

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Se você tem a chance de fazer o bem, então o faça