News

A partir desta quarta-feira (4), a Prefeitura de São Paulo diz que vai começar a retirar famílias que recebem auxílio-aluguel e seguem acampadas no Largo do Paissandu após o desabamento do prédio Wilson Paes de Almeida, em 1º de maio.

Depois da tragédia, a Prefeitura identificou e cadastrou 291 famílias que moravam no prédio e têm o direito de receber o auxílio-aluguel de R$ 1.200 no primeiro mês e depois uma ajuda mensal de R$ 400. Segundo a Secretaria de Habitação, as famílias beneficiadas não poderão mais ficar na praça e se forem identificadas no local, podem perder o benefício (veja íntegra da nota abaixo)

As assistentes sociais também vão negociar a saída das outras pessoas que estão no local, mas que não faziam parte da ocupação. Elas também terão que deixar a praça. A Prefeitura acredita que sejam no máximo 60 famílias, que poderão ir para os centros de acolhida da capital.

A Prefeitura disse ainda que outras famílias acampadas logo após o desabamento e que recebiam auxílio foram deslocadas para casas em uma primeira etapa.

Auxílio-aluguel

Um mês antes do desabamento, a Prefeitura esteve no prédio Wilson Paes de Almeida e cadastrou 171 famílias da ocupação. Depois da tragédia, as assistentes sociais identificaram mais 120 famílias que também moraram no local e incluíram essas pessoas no cadastro para o auxílio-aluguel e fila habitacional.

Esta terça-feira (3) é o último dia para as famílias que têm direito ao benefício retirem o primeiro pagamento no valor de R$ 1.200.

Este valor é pago pelo governo do estado que também assumiu o compromisso de pagar o valor mensal de R$ 400 por um ano. A Prefeitura só vai assumir o pagamento a partir de maio de 2019.

Nota Prefeitura

“A Prefeitura de São Paulo finalizou o atendimento habitacional das vítimas do desabamento e a partir desta quarta-feira (4) intensifica as ações de abordagem junto às famílias no Largo do Paissandú para oferecer acolhimento a quem insiste em permanecer na praça. Nesta terça-feira (3) o município encerrou o atendimento das famílias que comprovaram vínculo com a ocupação apenas na última semana.

Foram analisados casos de 435 famílias que se apresentaram como vítimas sendo que apenas 291 comprovaram morar na ocupação do edifício Wilton Paes de Almeida. As famílias que estão na praça vieram de outras regiões da cidade, não moravam no edifício que desabou e se somam as outras 4 mil pessoas em situação de rua no centro da cidade. A partir de agora, o município segue oferecendo, como desde o início, os serviços de acolhimento nos centros de acolhida com 14,5 mil vagas.

A Prefeitura também vai reforçar a tentativa de realizar a limpeza no local. Por diversas vezes as famílias impediram a limpeza do espaço, a situação de insalubridade aumentou colocando em risco a saúde das crianças, idosos e gestantes. O local apresenta alto nível de sujeira, causando problemas de higiene, atraindo pragas, roedores e baratas e gerando reclamações de moradores e comerciantes da região.”

Fonte: G1

Novamente o Di Alma conseguiu atingir o objetivo de levar calor para os nossos amigos em situação de rua.

Neste domingo, 24 de junho, levamos sopa, pão, doce, kit de higiene, luvas, meias, gorros e cobertores para aquecer o inverno destes nossos irmãos mais vulneráveis.

Não esquecemos dos nossos amigos de quatro patas e levamos ração para alimentá-los também.

Foi um dia lindo e muito gratificante.

Curta as fotos desta maravilhoso ação: Inverno Di Rua

SÃO PAULO

No puxadinho de Valtair José de Souza, 50, há duas camas, mas ele dorme somente no sofá. Os dois colchões, abarrotados de brinquedos, ocupam a maior parte do espaço, mas nenhuma criança nunca dormiu lá desde que ele se mudou, há cerca de um ano, para essa casa abandonada a poucos metros do parque Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, e que foi invadida por cerca de 30 famílias.

Dos seus filhos, Felipe, 5, vive há um ano e meio em um abrigo da prefeitura, e Joana, 2, sumiu com a mãe e ele não a vê há mais de um ano. Os nomes das crianças são fictícios.

No puxadinho, as camas preparadas para receber as crianças são uma forma de Carioca, como Valtair é conhecido, manter a esperança de recuperar a guarda dos dois filhos. Ele, que sobrevive fazendo bicos, tira de uma pasta surrada todos os documentos originais dos filhos: as certidões de nascimento, avaliações da escola e o RG do mais velho, além da carteira de vacinação com as doses em dia.

Ao lado da cabeceira de uma das camas, está apoiada a bicicleta de Felipe, que Carioca teve que arrastar até em casa no dia em que o menino foi levado a um abrigo, após a Justiça o ter destituído do poder familiar. “Ele foi comigo ao fórum nesta bicicleta”, lembra Carioca, sobre o dia que viu o filho pela última vez.

A decisão judicial de colocá-lo sob tutela do estado veio três meses depois de o pai ter sido preso em flagrante sob a acusação de agredir o filho. No registro feito na delegacia, testemunhas o acusaram de arrastar o menino pela calçada e lhe dar socos na cabeça, além de jogá-lo com violência no concreto. O relato também diz que ele estava embriagado.

O pai foi acusado de nove crimes, entre eles, maus-tratos e violência doméstica —cumpriu três meses de detenção. Carioca, porém, tem outra versão. Ele conta que, naquele domingo de setembro de 2016, havia levado o filho para acompanhá-lo, enquanto trabalhava como guardador de carros na esquina das ruas Augusta e Estados Unidos.

Fundado por Kaká Ferreira e José Amato, o Núcleo Assistencial Anjos da Noite realiza o trabalho desde 22 de agosto de 1989. É composto por pessoas de todas as idades, de várias denominações religiosas que voluntariamente doam, além do seu tempo, alimentos, roupas, agasalhos, calçados, cobertores e principalmente amor. Uma simples refeição, um agasalho e uma palavra amiga são os ferramentas fundamentais para possibilitar o resgate da autoestima objetivando a sua reintegração social.

“Sempre teremos algo a oferecer e a receber”

A carência dos recursos materiais das pessoas em situação de rua não as tornam menos cidadãos. São eles que devem ter prioridade no senso de fraternidade que propicia momentos de reflexão sobre os valores da vida, hoje tão banalizada.

Portanto, ser um Anjo da Noite nada mais é do que agir na direção da solidariedade para a formação de um mundo mais justo e feliz, razão pela qual o Grupo Anjos da Noite vivencia, entre outras, a seguinte premissa: “Todos os Problemas são Problemas de Todos”.

Fonte: Anjos da Noite

A digital, que antes assinava documentos, agora vai abrir as portas do mundo digital. Através da tecnologia de seus produtos, a Samsung, em parceria com o Instituto Paulo Freire, vai contribuir com a educação e a alfabetização de centenas de pessoas. O projeto Alfabetização Cidadã foi criado para que aqueles que coletam, separam e tratam resíduos em geral tenham suas vidas transformadas através da autonomia da escrita. O objetivo de levar a tecnologia para o dia a dia dos alunos é alfabetizá-los e promover a inclusão social e digital, trazendo a eles novas perspectivas de vida e transformando-os em Embaixadores da Sustentabilidade também no mundo virtual.

História

Uma educação humanizada e transformadora. Este foi o grande desejo que motivou Paulo Freire a construir o próprio Instituto que, em parceria com pessoas e instituições movidas por estes mesmos princípios, se propõe a fortalecer a luta pela construção de “um outro mundo possível”. O pensamento freiriano atravessou fronteiras e está presente em inúmeros países, em todos os continentes. O método inovador de ensino e aprendizagem adotado pelo Instituto Paulo Freire coloca a vida do aluno no centro da educação e proporciona às pessoas a descoberta de novos horizontes.

Fonte: Samsung

A Prefeitura de São Paulo pretende fazer um projeto habitacional no terreno do edifício Wilton Paes de Almeida, que pegou fogo e desabou no Largo Paissandu, no Centro de São Paulo, no dia 1º de maio. A ideia do secretário da Habitação, Fernando Chucre, é a de que as famílias desabrigadas sejam contempladas de forma definitiva no mesmo endereço.

Os corpos de sete pessoas foram encontrados nos escombros. Outros dois moradores seguem desaparecidos.

“A gente está conversando com o Ministério das Cidades e a Secretaria de Habitação do estado e vamos anunciar proximamente qual será o atendimento às famílias e onde será, em caráter definitivo. Provavelmente será gerado um empreendimento no próprio terreno onde ocorreu o acidente”, disse Chucre.

O secretário disse que ainda não há um projeto efetivo, mas que o primeiro pensamento da administração municipal é destinar o espaço para quem já morava lá.

O secretário defende que há uma identidade daquelas famílias com o endereço. “É um terreno muito bem localizado, bem servido de infraestrutura, equipamentos públicos, as famílias têm um vínculo com o território, então, seria o mais adequado, pela secretaria de Habitação, que fosse feito um empreendimento no próprio local.”

Segundo o secretário, o anúncio oficial já teria ocorrido se não fosse a greve de caminhoneiros no país, que dificultou o encontro de autoridades. “O ministro [Alexandre Baldy] vinha aqui [São Paulo] dia 28 e, com a crise da gasolina e problema de deslocamento, nós cancelamos a reunião”, disse. “Isso está bem encaminhado, a gente deve dar uma solução, encaminhamento definitivo muito rapidamente.”

Vistorias em ocupações

Desde o desabamento do prédio, a prefeitura passou a vistoriar os prédios públicos ocupados como maneira de checar as condições de segurança para os moradores. “A Defesa Civil está fazendo um levantamento nos 70 prédios que estão ocupados, que estão invadidos aqui na cidade de São Paulo, para a gente verificar que ações devem ser tomadas a curto prazo, se há alguma ação emergencial que precisa ser feita no curto prazo no ponto de vista de risco desses 70 prédios”, disse o prefeito Bruno Covas.

Segundo Chucre, “desde a primeira semana, no dia 7, o coronel José Roberto, que é o secretário de Segurança Urbana, começou as visitas em edifícios, gerando uma base de dados para a requalificação de segurança. Até o final de junho todas as ocupações da região central serão visitadas. Já visitamos 30 edifícios dos cerca de 70. Há uma variação desse total porque alguns edifícios têm reintegração de posse marcada, mas já definimos as vistorias em 49 desses prédios.”

Nos próximos dias será avaliada a vistoria ou não de ocupações com reintegração de posse já marcada. “Tem casos também como o [Hotel] Cambridge e do Lord [Palace Hotel], a gente tinha o financiamento da requalificação, portanto, não seria necessário fazer a vistoria nesses dois locais”, disse o secretário.

“Espaço exclusivo”

Segundo José Castro, secretário municipal interino de Assistência e Desenvolvimento Social, foram cadastradas 320 famílias que compareceram à tenda montada pela Prefeitura no Largo do Paissandu.

“A gente chega num local de tragédia e a universalidade de atendimento é muito importante e por isso a gente atende todo mundo. Esse encaminhamento deve ser consensual. A gente chegou a oferecer um espaço exclusivo e emergencial para aquelas pessoas que tinham sido afetadas por esse desabamento”, disse.

Alguns dos moradores chegaram a questionar a qualidade de um dos espaços destinados aos que foram desalojados por conta do incêndio e desabamento. “Acho curioso uma pessoa que opta por ficar na praça, na rua reclamar de um banheiro sujo, porque a gente está oferecendo teto, cama, alimentação, banho”, disse Castro.

Com isso, ele afirma que atingiu “o número total de 1.650 pernoites neste espaço exclusivo. Na noite de 29 de maio foram 60 pernoites, por exemplo”, disse o secretário.

Detalhamento do atendimento

A Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude da Capital pediu à Justiça, na quinta-feira (24), a concessão de liminar para que a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads) “apresente imediatamente os relatórios individualizados dos atendimentos realizados às famílias desabrigadas acampadas no Largo do Paissandu desde 1º de maio”.

Os promotores querem saber as ações tomadas pela prefeitura de São Paulo para ajudar as famílias com filhos de até 18 anos que moravam no prédio Wilton Paes de Almeida e as possíveis recusas pelo atendimento.

A Promotoria obteve, na semana passada, liminar determinando que a pasta apresente imediatamente os relatórios individualizados dos atendimentos realizados às famílias acampadas no Largo do Paissandu desde 1º de maio.

“Os documentos deverão ser catalogados por núcleo familiar e trazer indicações das ações e programas ofertados para as famílias com filhos de até 18 anos e, eventualmente, a razão alegada para a recusa, com dados de identificação de registro de nascimento ou de outros documentos pessoais dos assistidos.”

Segundo os promotores, a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania deixou de especificar quem são os ex-moradores da ocupação do edifício que vêm se recusando a levar seus filhos para Centros Temporários de Atendimento (CTAs).

Além disso, a secretaria, que solicitou a tomada de medidas judiciais contra pais e responsáveis de crianças e adolescentes que teriam se recusado a deixar o Largo do Paissandu, não descreveu os serviços que foram oferecidos às pela municipalidade e nem apresentou comprovação da efetiva recusa das famílias ao encaminhamento proposto.

“Sobre isso, acionamos o Ministério Público antes. E, antes mesmo da decisão judicial, quando o MP solicitou as informações, nós já protocolamos as informações. Ainda não tive acesso à decisão judicial pedindo o detalhamento, mas nós nos antecipamos e enviamos as informações aos Ministério Público”, disse José Castro.

Estudo de caso

Fernando Chucre disse ao G1 que as famílias que estão na praça, no abrigo e as que se apresentaram voluntariamente requerendo o apoio da prefeitura estão passando por uma triagem de informações e dados para de fato receberem alguma ajuda.

“A pessoa alega que morava lá e uma junta de assistentes sociais estuda caso a caso. Faz uma triagem de informações para ter a certeza que moravam lá ou não. Se a gente fica em dúvida, com referência de que aquela pessoa morou, morava ou ficou de forma transitória naquele local, a gente faz uma análise e dados. Tinha um público flutuante naquele prédio e isso gerou mais uma lista de 171 famílias.”

Segundo o secretário de Habitação, “para não cometer nenhuma injustiça, dessas demais famílias não cadastradas, vamos oferecer auxílio para mais 77 famílias. Elas vão ser atendidas provisoriamente. A pessoa mostra uma conta de crediário e o endereço de cobrança do boleto é aquele prédio, o programa saúde da família faz cadastro e faz atendimento desses locais, famílias têm crianças em creches e estão na ficha o endereço do prédio. Vamos analisar essas informações todas.”

De acordo com Castro, o último cadastro feito é de um mês antes do desabamento. “Temos tudo documentado.”

Fonte: G1

O Governo Federal concede aquelas pessoas em extremo estado de vulnerabilidade o direito a uma renda básica no valor de aproximadamente R$ 87,00.

Para tanto é necessário que procure, em São Paulo, o CREAS mais próximo levando documento e comprovante de residência. Sim, o morador de rua precisa estar alocado em algum Centro de Acolhida.

Abaixo os endereços dos CREAS da Capital de São Paulo:

CENTRO


Endereço: Rua Bandeirantes, 55
Telefones: 2383-4480 / 3311-0920 / 3396-3500

NORTE

Vila Maria
Endereço: Rua Soldado José Antônio Moreira, 546
Telefones: 2201-5807 / 2949-6495

Santana
Endereço: Rua Voluntários da Pátria, 4649
Telefones: 4571-0293

Tremembé
Endereço: Avenida Mário Pernambuco, 45
Telefones: 2261-1314 / 2203-1443

Casa Verde
Endereço: Rua Crisolia, 53 – Jardim Primavera / Bairro do Limão
Telefones: 3856.9463

Freguesia do Ó
Endereço: Rua Parapuã, 160
Telefones: 3978-2984 / 3977- 8925 / 5413-6419

Pirituba
Endereço: Rua: Comendador Feiz Zarzur, 15
Telefones: 3972-4171 / 3972-2855

Perus
Endereço: Rua Gonçalves de Andrade, 369
Telefones: 3917-6380/ 3911- 5211 3918-5410 e 3918-5008

SUL

Jabaquara
Endereço: Rua dos Jornalistas, 48
Telefones: 5012-8129 / 5016-1572

Ipiranga
Endereço: Rua Taquarichim, 290
Telefones: 2383-4528 / 2383-4529 / 2383 4527

Vila Mariana
Endereço: Rua Madre Cabrini, 99
Telefones: 5083-4632

Cidade Ademar
Endereço: Rua Ranulfo Prata, 289
Telefones: 5677-0341 / 5562-2874

Campo Limpo
Endereço: Rua Landolfo de Andrade, 200
Telefones: 5814-7483

Capela do Socorro
Endereço: Av. Senador Teotônio Vilela, 2394
Telefones: 5666-8940 / 5666-8494

Santo Amaro
Endereço: Rua Padre José de Anchieta, 802
Telefones: 5524-1305

M´Boi Mirim
Endereço: Rua: Miguel Luiz Figueira, 16
Telefones: 5891-3483/ 5891-3632

LESTE

Sapopemba
Endereço: Avenida Sapopemba, 6293
Telefones: 2115-2738 2115-3313

Vila Prudente
Endereço: Avenida Paes de Barros, 3345
Telefones: 2219-2049 / 2219-1760

Mooca
Endereço: Rua Síria, 300
Telefones: 2225-1302 / 2225-1302

Penha
Endereço: Rua Antonio Taborda, 37
Telefones: 2023-0770

Aricanduva
Endereço: Rua São Contancio, 457
Telefones: 2268-1793 / 3246-8310 / 3246-8312

Itaim Paulista
Endereço: Rua Celso Barbosa de Lima, 501/503
Telefones: 2156-3814 / 2569-2797 / 2569-2802

São Mateus
Endereço: Rua: Ângelo de Cândia, 964
Telefones: 2012-6406 / 2012-5987 / 2012-6092

Guaianases 

Endereço: Rua Nabuco de Abreu, 06
Telefones: 2554-7115

Itaquera
Endereço: Av. Maria Luiza Americano, 1877
Telefones: 2745-5900

Cidade Tiradentes
Endereço: Avenida Nascer do Sol, 529
Telefones: 2363 9876 / 2363 9886 / 2363 9875

Ermelino Matarazzo
Endereço: Av. Boturussu, 1626
Telefones: 2545-3211

São Miguel Paulista
Endereço: Rua José Pereira Cardoso, 183
Telefones: 2031-4459 / 2031 -5859

OESTE

Pinheiros
Endereço: Rua Mourato Coelho, 104/106
Telefones: 3063-0807 3085-2615

Butantã
Endereço: Ministro Laudo Ferreira de Camargo, 230
Telefones: 3743-2734

Fonte: Centro de Acolhida da Boracéa

Se você tem a chance de fazer o bem, então o faça